BLOG - Os impactos na saúde decorrentes da queda do consumo de frutas na população adulta.

Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Para mais informações, acesse o nosso Aviso Externo de Privacidade.

Os impactos na saúde decorrentes da queda do consumo de frutas na população adulta.

Hoje em dia, quem vive nos grandes centros urbanos tem que lidar com o desafio de lidar com diversas responsabilidades, como trabalho, estudos, filhos, casa… e dar conta disso tudo requer muita energia e disciplina. E todas essas tarefas levam à sobrecarga, inclusive do corpo, que dá sinais de fadiga e estresse.

E nesse cenário, a alimentação é uma das ‘vítimas’ dos pilares da vida saudável: algumas vezes falta tempo para fazer uma refeição adequada, que dirá prepara-la. E assim, as escolhas nutricionais muitas vezes não contêm os nutrientes necessários para nos manter em dia com nosso corpo.

De acordo com a POF (Pesquisa Orçamento Familiar) de 2017-2018, um dos principais estudos sobre o comportamento alimentar no Brasil, é notável a redução da frequência do consumo de frutas, em comparação com a mesma pesquisa realizada entre 2008 e 2009. Frutas como maçã, manga, abacaxi, mamão, banana, entre outras, caíram de 45,4% para 37,4% entre os períodos pesquisados1.

E essa redução de consumo acarreta numa menor quantidade de nutrientes ingeridos, o que pode levar a diferentes sinais, como redução na imunidade, fadiga, falta de disposição, palidez, queda de cabelos, entre outros2.

E à medida em que o corpo envelhece, algumas funções deixam de acontecer como antes, como por exemplo, a imunidade – que impacta diretamente na autonomia e vitalidade! Estudos mostram que entre os 60 e 65 anos de idade, a imunidade começa a cair gradativamente3, o que torna a ingestão diária de micronutrientes ainda mais importante. Nesta faixa etária, foi notada a queda do consumo de frutas de 70,2% em 2008-2009 para 61,7% em 2018-20191.

Assim, como forma de auxiliar a suplementação de vitaminas e minerais, a adoção de um multivitamínico pode ser uma opção para alcançar a recomendação diária e ajudar a manter sua vida vitaminada

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
  • Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2020.

  • Vannucchi H, Rocha MM. Ácido ascórbico (Vitamina C). In: ILSI Brasil – International Life Sciences Institute do Brasil. Funções plenamente reconhecidas de nutrientes. São Paulo: ILSI-Brasil, 2014. v. 21, 11p. (Série de Publicações ILSI Brasil). Disponível em: <https://ilsi.org/brasil/wp-content/uploads/sites/9/2016/05/21-Vitamina-C.pdf>. Acesso em: abril, 2020.

  • Chandra RK. Nutrition and the immune system from birth to old age. Eur J Clin Nutr. 2002; 56 Suppl 3: S73-6.

Confira também

Card image cap
Os impactos na saúde causados pelo envelhecimento.
Leia mais
Card image cap
A falta de nutrientes e os impactos na prática de atividades físicas.
Leia mais

Com Vitaminas Neo Química,

você adiciona as vitaminas essenciais para o seu dia-a-dia.
Confira nossa linha completa